sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Não vou falar que é o meu primeiro poste!

Saudações terráqueos! A convite da Deyse, cá estou. Bom, primeiro post é o mais dificil, creio, principalmente quando se tem outro blogue. Na falta do que falar, apelo a música, que segundo a Deyse é sobre o que melhor sei falar.

Como fã e apreciador de música, sempre procuro novas bandas e sons. Nessas buscas, acaba-se achando muito material afudê, que acaba fugindo das músicas cotidianas que ouvimos no rádio e vemos na tevê. Não que o que toque nesses lugares seja, necessáriamente, ruim. Porém há muita coisa boa que não tem auxilio de gravadoras para a divulgação.

Bandas chamadas de independentes, são aquelas que não tem coligação com gravadoras. Adimiravel sejam essas bandas, pois ralando sozinhas, conseguem se manter e produzir materiais muito bons. Eu até creio que melhor que as que ligam com gravadoras. Claro que há os selos de gravação, que ajudam a divulgar e distribuir, além de blogues, programas de rádio, revistas entre outras coisas, que dão o seu apoio a cena. Essas bandas não ralam por bons materiais só sonoros, grande parte dessas bandas independentes brasileiras faz clipes exemplares, muitas vezes com boas idéias e baixos orçamentos.

Nesse cenário, vejo a Pública, como uma das bandas que mais se destaca. Seu primeiro cd, que se chama Polaris(2006), na minha opnião, é no máximo legalzinho. Músicas bem paradas, do tipo para ouvir uma vez ou outra. Bem produzido, mas não é dos mais emplogantes de se ouvir. Ainda assim, sobra uma música para a qual gosto muito: Long Plays. Além da música, eles tem esse que é um dos clipes mais afudês que já vi.



A banda chegou a concorrer como aposta Mtv, no VMB em 2007. Se não bastasse, no mesmo VMB, foi feito uma série de vinhetas cidades brasileiras e as diferentes regiões. Para isso a Mtv escalou uma banda pra mostrar cada região. A Pública foi escolhida pra representar o RS. Vinheta que se tornou um clipe em homenagem a Porto Alegre.



Esse ano a Pública lançou seu segundo álbum, Como num filme sem um fim. Ele está disponivel pra download gratuito no saite oficial da Pública. Na real, é um puta cd. Ele tem um tom meio tristono/parado, que vem da banda, mas não inteiramente assim. Músicas afudê por demais e, novamente, a produção de video-clipes continua impecável. Do novo cd, já saiu o clipe de Casa Abandonada. Ele já concorreu esse ano como Melhor Clipe no VMB, perdendo para o Skank com o clipe de Sutilmente, que mesmo tendo mais fãs para votar, foi muito merecido. Mesmo assim, levaram o premio de melhor banda Independente.



Conclusão: Tomanocú, a Pública só faz clipes fodas.

Mais Clipes: Aqui e Aqui
Em breve será lançado o clipe de Quarto das Armas.

Um comentário:

=Deyse disse...

Bem vindo Sals...ops, Mr. Bola de Cristal.
Rápido no gatilho!